Postagens

Mostrando postagens de Julho, 2010

Meu tudo, meu nada...

meu refúgio, minha morada.

Momentos sem ti encontrar, tornam-se noites sem luar...
Para viver e não ti ouvir, é melhor nem existir.
Para olhar e não ti ver, é melhor nem enxergar.
Para tocar e não ti sentir, é melhor nem seguir.
Para viver e não ti ter, é melhor nem viver...
(Raymara Milhomem de Oliveira)

Tenho absurda saudade,

de receber cartinhas dizendo: Gosto de você!

Que Saudades Tenho! E o engraçado de tudo, é que quando recebíamos isso, a gente ria tanto... As vezes criticava a pessoa que havia mandado, ou rasgava... Que crueldade, hoje sabemos o quanto fomos ruins em fazer isso... Era lindo, fofo e além do mais, muito romântico. Hoje poucos ainda fazem isso. Pra se declarar vão à alguma página de internet com "mensagens de amor" e te enviam por e-mail. Qual a graça disso? O bom é ver a letra da pessoa, os rabiscos, os desenhos que ficam nas bordas das folhas... E a mania de colocar coraçãozinhos e florzinhas em pingos do "i"? Eu já rasguei tantos bilhetinhos... Mas depois que comecei a enxergar o verdadeiro significado deles, comecei a guardá-los. Tenho milhares de bilhetes, versos, grandes poemas, cartinhas de amizade, cartas românticas, desabafos, frases, desenhos; tudo muito bem registrado, com as letras dos seus devidos remetentes. Algumas só dizem: Raymara, foi muito bom con…

Viva o NOSSO presente (...)

- Não vai, preciso ti contar tantas coisas que estão presas dentro de mim... Tantas lágrimas que um dia derramei, tantos sorrisos que um dia te dei... Não vai! Você precisa saber de minha boca, o quanto te amo, o quanto te quero, o quanto preciso de você.- Mas porque deixastes pra hoje, quando tudo poderia ter sido tão perfeito ontem, por quê? - Não viva do passado, viva o presente. Viva o NOSSO presente. Estou aqui tão perto e ao mesmo tempo, tão longe... Só preciso de você para meu mundo poder girar... Só preciso do teu calor para poder respirar... Preciso do teu cheiro para conseguir viver como eu realmente quero e necessito. - Então diga, diga o quanto me ama, se é que ainda existe sentimento dentro de você...E tudo se calou quando, dois corações começaram a bater sintonizadamente, quando duas almas entrarem em movimento juntas, quando duas mãos se tocaram inesperadamente, quando simplesmente duas bocas sentiram novamente o prazer de serem tocadas...

Apenas mais uma de amor.

(Composição: Lulu Santos/ Nelson Motta)

Eu gosto tanto de você que até prefiro esconder, deixo assim ficar, subentendido. Como uma idéia que existe na cabeça e não tem a menor obrigação de acontecer. Eu acho tão bonito isso, de ser abstrato baby, a beleza é mesmo tão fugaz. Como uma idéia que existe na cabeça e não, tem a menor obrigação de acontecer. Pode até parecer fraqueza, pois que seja fraqueza então, a alegria que me dá, isso vai sem eu dizer. E se amanhã não for nada disso, caberá só a me esquecer. O que eu ganho, o que perco, ninguém precisa saber.

(Vamos por ordem dos fatos: Exposição Agropecuária de Porto Franco [EXPOFRAN] chegou ao fim, tenho muitas novidades sobre a mesma. Ontem foi show do cantor Leonardo, hmn, ele é até bonito rapaz.
Referente ao blogger, estou muito feliz por todos estarem lendo, gostando, comentando e seguindo-o. Inclusive, ontem cheguei aos 100 seguidores e fiquei emocionada *-* Beijos, amo vocês <3)

Mais uma de amor...

Hoje quando acordei, abri a janela... O sol já havia nascido, e a lua ainda continuava lá... Passaram-se horas, a lua já havia desaparecido. O sol começou a se pôr... As estrelas surgiram, mas veio uma enorme nuvem e bloqueou tais encantos. Foram dois dias assim, sempre assim... No terceiro dia, concluí: Meu amor por você, não é como a lua que surgi e depois desaparece. Nem como o sol que se põe. Também não é como as estrelas que mesmo com o brilho intenso, são interrompidas. Nem como as nuvens que bloqueiam luz e brilho... O meu amor por você, é como o UNIVERSO, pois além de ser extenso, plano e infinito, na escuridão ou na luz, sempre há de existir.
(Filha do Meio)

E o ciúme...

O amor nos liberta de prisões que nem as maiores chaves podem nos livrar. Nos prende em emoções que nem os mais fortes cadeados poderiam nos fixar. Raymara Milhomem de Oliveira

Querido diário, a filha do meio está magoada e triste. Queria poder decifrar o que sinto, mas a única certeza fora parte, é que meu ser está cheio de ciúmes... Ciúmes extremos de coisas que nem são minhas. Eu já havia falado, tenho ciúmes de tudo que envolve meus amigos e sinceramente, odeio ver minhas colegas se "Jogando" em cima deles. Tenho medo de perder ou esquecer o que sinto por elas, por isso #sério. Me segurem, porque vou estrangular aquelas periguetes. Não é só isso, tenho novidades: meu coração voltou a bater mais forte, eu sinto que está florescendo algo bonito, profundo e talvez novamente passageiro, pena que isso vai ficar só entre agente mesmo, tudo vai se transformar em poemas e composições, apenas. Novamente nada vai ser desabafado e eu vou continuar do mesmo jeito de sempre. E o diário n…

Precisam saber sobre mim ...[2]

Imagem
Continuo sendo inocente. Converso sobre futebol enquanto todos falam sobre relacionamentos. Acredito em anjos, em duendes e fadas madrinhas, inclusive tenho um anjo que me guia em todos os momentos da minha vida. Acredito que o mundo possa melhorar, mesmo estando do jeito que está. Que a chave para o sucesso são as pessoas e que a fonte para jorrar paz na Terra, é simplesmente o amor. Já feriram meu coração, já o maltrataram, levaram a chave que o abria, até pensei que isso fosse durar para sempre, mas o pra sempre, sempre termina. Até mesmo quando parece que tudo vai desmoronar por cima de nossas cabeças, vem algo que ilumina, aquece e fortalece nossas ideias e nossas ações. Não sou patricinha, não sou gótica, não sou emo, não sou rockeira, nem sertaneja... Também não sou uma extra-terrestre, talvez eu até possa ter vindo de outro mundo, mas por enquanto, o meu conceito é que surgir mesmo na Terra. É, não sou normal. Sou realista (já disso isso), eu enxergo as qualidades e os defeito…

#frase

Pra evitar a dor escolhi o "nada", e até hoje isso me dói.